Com o objetivo de amparar os Oficiais de Justiça que sofreram com a determinação do corte de ponto por causa da greve, o Sindojus lança uma campanha de empréstimos financeiros para o pagamento dos salários.

Ao anunciar a decisão, o presidente do sindicato, Gerardo Alves Lima Filho, explicou a luta com o TJDFT para que as condições de saúde e segurança do trabalho dos Oficiais de Justiça sejam respeitadas. “No meio de uma gestão extremamente autoritária do Tribunal, os Oficiais tiveram seus pleitos legítimos de limitação de mandados, recomposição da indenização de transporte e nomeação dos aprovados no concurso do TJDFT rejeitados, sem qualquer fundamento plausível”, disse. 

Diante do esgotamento das mais diversas tentativas para se resolver o problema, só restou o caminho da greve. Assim, cumprindo todos os requisitos formais, o movimento paredista foi iniciado no último dia 1º de março e, ultrapassados quase 20 dias, o Tribunal de Justiça sequer constituiu Comissão de Negociação, violando a lei de greve.

“Não obstante, o Tribunal cortou o ponto dos Oficiais de Justiça grevistas, sem assegurar contraditório nem ampla defesa, sem que a greve seja decretada ilegal e em procedimento sigiloso. Assim, os colegas estão sem condições de arcar com o atendimento das necessidades básicas das suas famílias e acabarão saindo da greve”, afirma Gerardo.

“Estamos fazendo todo o possível para reverter a decisão arbitrária do corte de ponto. Mas enquanto isso não acontece, precisamos do apoio e da solidariedade dos demais colegas de todo o Brasil no sentido de contribuírem com algum valor a título de empréstimo para que possamos cobrir o desfalque no salário dos grevistas”, completa.

De acordo com ele, essa greve constitui um precedente fundamental na relação entre servidores, especialmente do Judiciário, e a Administração Pública. “Desse modo, precisamos ter condições de levar a luta à frente”.

O presidente do Sindojus ressalta que a greve é muito justa, “mas o que está em jogo é muito mais do que a pauta de reivindicações dos Oficiais de Justiça do DF. Estamos buscando a democratização do Poder Judiciário e o respeito aos servidores”.

Por essas razões, o sindicato pede a todos que acreditam na causa, uma contribuição para que ocorra o pagamento dos salários dos Oficiais de Justiça grevistas que foram parcialmente cortados de forma absurda! Assim que revertermos a decisão, os valores que forem utilizados na forma de empréstimo serão devolvidos.

Além das contribuições dos colegas e amigos, a participação das entidades também se mostra de grande relevância. A conta do Sindojus para o depósito é na Caixa Econômica Federal, agência 1039, código 003, conta n. 2014-1. O CNPJ do sindicato é 20.274.829/0001-90.

“Mesmo valores baixos de uma quantidade significativa de pessoas farão a diferença. Muito obrigado pela compreensão!”, finaliza Gerardo Lima.

Da assessoria de imprensa, Caroline P. Colombo

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top